Ricos de um lado, pobres do outro: fotos aéreas mostram desigualdades no mundo

Em 2004, o fotógrafo Tuca Vieira capturou, para o jornal Folha de S.Paulo, a imagem da favela de Paraisópolis encravada no abastado bairro do Morumbi, na capital paulista. A foto, que ostentava um prédio com uma piscina por andar ao lado de barracos de alvenaria, correu o mundo e virou símbolo da desigualdade entre ricos e pobres.

Anos depois, o fotógrafo sul-africano John Miller usou um drone para registrar em fotos e vídeos cenas de diferentes cidades do mundo onde também há contrastes escancarados de áreas pobres e ricas.

Oyster Bay, na África do SulJOHNNY MILLER/MILLEFOTO
Image captionOyster Bay, na África do Sul
Foto aérea mostrando contraste em Nairóbi, QuêniaimagemJOHNNY MILLER/MILLEFOTO
Image captionNairóbi, Quênia
Foto aérea do Lake Michelle e de Masiphumelele na Cidade do CaboDireito de imagem JOHNNY MILLER/MILLEFOTO
Image captionCidade do Cabo, África do Sul
Contraste na vizinhança de Santa Fe, Cidade do México, MéxicoDireito de imagem JOHNNY MILLER/MILLEFOTO
Image captionSanta Fé, Cidade do México, México
Prédios de um lado e casas com telhaod de lona azul para proteger das chuvas, em Mumbai, ÍndiaDireito de imagem JOHNNY MILLER/MILLEFOTO
Image captionMumbai, Índia
Imagem aérea da região de Kya Sands/Bloubosrand, em Joanesburgo, África do SulDireito de imagem JOHNNY MILLER/MILLEFOTO
Image captionJoanesburgo, África do Sul
Detroit, Estados UnidosDireito de imagem JOHNNY MILLER/MILLEFOTO
Image captionDetroit, Estados Unidos

John Miller começou o projeto batizado de “Unequal Scenes” (Cenas Desiguais, em tradução livre) na África do Sul. Ele se inspirou em documentar a disparidade nas condições de vida que observou nos barracos de lata no entorno do aeroporto da Cidade do Cabo quando chegou à cidade para estudar.

Depois de explorar contrastes na África do Sul, ele passou a registrar imagens nas maiores cidades do mundo, de Mumbai (Índia) à Cidade do México, passando por Nairóbi (Quênia).

Ele diz que os drones permitem uma perspectiva melhor das disparidades nas condições de vida dessas cidades.

“As desigualdades em nosso tecido social estão muitas vezes escondidas e difíceis de ver a partir do nível do solo. Barreiras visuais, incluindo as próprias estruturas, nos impedem de ver os incríveis contrastes que existem lado a lado em nossas cidades”, diz ele.

Miller também acredita que imagens aéreas ajudam na objetividade: “O drone distancia o fotógrafo e o espectador da fotografia, tanto física como mentalmente, e provoca uma análise do olhar distante … Permite uma separação do sujeito que pode ser poderosa quando a gente lida com um problema com alta carga emocional como a desigualdade”.

Ele espera que seu trabalho desperte reações, ou pelo menos leve pessoas a conversar sobre desigualdade. “Se as imagens provocam sentimentos desconfortáveis de medo, desespero ou uma desconcertante realização de cumplicidade…isso é bom. Elas têm essa pretensão.”

BBC

Fotos Johnny Miller/@Millefoto

Compartilhe isso:

Recommended For You

About the Author: Terra Potiguar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Roda pé
%d blogueiros gostam disto: