Mortes por queda quadruplicam e se aproximam do número de homicídios em SP

O número de mortes por queda quadruplicou no estado de São Paulo nos últimos 16 anos. Dados do Bepa (Boletim Epidemiológico Paulista), divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde, indicam que essa já é a terceira principal razão de mortalidade por causas externas –quando independem do que acontece ao organismo humano. Estão nessa categoria óbitos no trânsito, homicídios, suicídios e quedas fatais.

Entre 2000 e 2016, a proporção de mortes causadas por razões externas diminuiu de 14% para 7,6% em relação à mortalidade total no estado: foi assim com acidentes de transporte, com redução de 9,2%, homicídios (-73%) e eventos de “intenção indeterminada” (-14,3%). Na média, as mortes por razões externas ficaram 33,2% menores em 16 anos, ao cair de 33.501 para 22.374 casos.

A exceção ficou por conta de suicídio, com alta de 43%, e das quedas fatais, que saltaram 422% no período analisado.

Em 2000, o governo contabilizou 644 óbitos por quedas fatais, 1,9% de todas as mortes por razões externas. Em 2010, foram 2.520 mortes e 10% desses óbitos. Em 2016, esses números saltaram para 3.361 óbitos, taxa de 15% dos casos.

Quedas vitimam principalmente idosos

A maioria dos casos envolve idosos. Das 3.361 mortes, mais da metade (1.809) foram relacionadas a pessoas com mais de 75 anos. “O sexo masculino tem taxas maiores que o sexo feminino desde as faixas etárias jovens, mas as diferenças de mortalidade em todas as faixas etárias são menos pronunciadas entre os dois sexos e ambos apresentam elevação da taxa entre os idosos”, diz o estudo.

Doutora em quedas de idosos pela USP (Universidade de São Paulo), a geriatra no Sírio Libanês Kelem de Negreiros Cabral atribui parte desse crescimento ao “aumento da expectativa de vida”.

De acordo com dados do Seade (Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados), o paulista vivia, em média, 75,5 anos em 2015 (não há dados sobre 2016), quatro anos mais do que em 2000, quando a expectativa de vida no estado era de 71,5 anos.

Outra razão para o aumento nas mortes por queda é que essas pessoas chegam à terceira “acumulando doenças”. “A gente tem vivido muito, mas com alta porcentagem de comorbidade. Nossos idosos são cada vez mais frágeis, e o aumento nesse indicador de quedas fatais é um retrato disso”, diz a médica.

Ela explica que o envelhecimento altera todo o “sistema de controle postural”. “São vários órgãos que interagem entre si para manter o corpo equilibrado. É a combinação dos sistemas visual, neurológico e muscular”, diz.

“Quando a gente envelhece, as doenças chegam e esse controle piora. A catarata prejudica a visão, a ocorrência de um AVC (Acidente Vascular Cerebral) compromete o sistema motor, uma artrose no joelho dificulta o caminhar. Ainda temos o mal de Parkinson, o sedentarismo, o diabetes. Esses fatores aumentam a chance de um idoso cair”, afirma a médica.

Justamente porque são frágeis, essas quedas têm consequências também mais graves. “O osso está frágil. Uma queda sem trauma em um jovem pode gerar fratura de quadril, trauma craniano em um idoso. Se tem de operar, muitos morrem em decorrência do pós-operatório”, diz Kelem.

Os que sobrevivem acumulam incapacidades e a chance de cair de novo. “Muitos morreram depois de cair duas, três, quatro vezes. Os familiares deveriam ficar atentos à primeira queda e cuidar da prevenção”, afirma ela.

Como prevenir?

Existem dois tipos de cuidado, explica: o individual e o coletivo. O individual depende do fator de risco de cada um. O idoso usa uma bengala adequada, faz exercícios, pode operar da catarata? Já as medidas coletivas se relacionam ao ambiente em que vive o idoso.

Em casa é preciso manter tudo organizado, iluminado e sem obstáculo no chão. O melhor tipo de calçado é fixo, com proteção na parte de trás (evitar chinelos na rua), confortável e com solado emborrachado
Kelem de Negreiros Cabral, médica do Sírio Libanês

Fora de casa, a médica pede atenção às calçadas esburacadas e ao embarque no ônibus e no metrô. “E tem de cuidar da saúde: fazer exercício físico, conferir se as lentes dos óculos estão adaptadas. Para evitar desequilíbrios, é importante medir sempre a pressão, o colesterol e a tireoide.”

Preconceito

“O que é mais importante frisar”, diz a geriatra, é vencer o preconceito que ainda existe em relação a quedas. “É muito comum brincar que se está ‘caindo de maduro’, mas é um menosprezo ao idoso. Uma queda pode ser um sinal de que a saúde dessa pessoa não está boa. Cair na terceira idade é comum, mas não é normal. É preciso levar ao médico para conhecer as causas e ajudar na prevenção.”

Outro conselho é jamais reduzir a locomoção do idoso. “Quando ele cai, o familiar fica com tanto medo de acontecer novamente que restringe tudo. Se fizer isso, acaba diminuindo a capacidade de eles fazerem as coisas. Seu equilíbrio piora e as chances de cair aumentam. É preciso garantir que eles se locomovam com segurança, mas isso é mais difícil e muita gente não quer ter esse trabalho”, conclui.

Compartilhe isso:

Recommended For You

About the Author: Terra Potiguar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + sete =

%d blogueiros gostam disto: