Em editorial, Mark Zuckerberg pede regulamentação para o Facebook

Se pudesse, Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, deletaria o dia 17 de março de 2018. Foi naquele sábado que uma reportagem conjunta dos jornais The Observer e The New York Times jogou luzes sobre a consultoria política Cambridge Analytica, que usou indevidamente dados de 87 milhões de usuários da rede social para campanhas como a de Donald Trump à presidência dos EUA em 2016. O escândalo abriu portas para o Facebook sangrar na pior crise de sua existência, mas parece não ter sido suficiente para transformar a empresa até aqui.

Para analistas ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo, pouco importa o plano anunciado recentemente por Zuckerberg, dizendo que o futuro da empresa está em mensagens criptografadas. Segundo eles, a empresa segue adiante sem resolver os problemas escancarados pelo caso Cambridge Analytica. São vários: de exploração comercial de informações pessoais à quebra de privacidade, passando por influência políticas, notícias falsas e barreiras de seguranças frágeis.

Não foi só uma crise de imagem própria: o Facebook pôs todo o setor tecnológico em xeque. “O caso afetou a forma como as pessoas enxergam o funcionamento das redes sociais”, diz Carlos Affonso Souza, diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS). Procurado pela reportagem, o Facebook não esteve disponível para responder ao pedido de entrevista.

Aprendizado

Após o escândalo, instalou-se uma lupa de reguladores e críticos sobre as gigantes de tecnologia. Temendo ser “asfixiada” pela regulação, a empresa tomou medidas para transmitir a imagem de que aprendeu a lição. Mudou políticas de privacidade, simplificou configurações e tentou implementar uma mistura de inteligência artificial com aumento na equipe de moderadores humanos para aumentar a segurança na plataforma.

Com a preocupação, aumentou gastos e reduziu suas projeções de ganhos. Ao fazê-lo, porém, perdeu 20% de seu valor de mercado, na maior queda diária da história de Wall Street. O que assustou os investidores não era o uso de dados dos usuários, mas a perspectiva pessimista de crescimento. Em janeiro, porém, ao anunciar projeções otimistas, o sinal se inverteu: as ações chegaram a subir 10,8% em um só dia.

Se na matemática o resultado pode não ser o mesmo, no aspecto moral o último ano do Facebook parece um jogo de soma-zero. “Não vi nenhuma mudança genuína”, diz David Kirkpatrick, autor do livro O Efeito Facebook. Para Bart Willemsen, diretor da consultoria Gartner, a explicação é simples: “a única coisa que pode mudar a posição do Facebook e prevenir episódios como os do passado é modificar o modelo de negócios”, diz. “Hoje há um conflito: quando há impacto positivo para anunciantes, há prejuízo para a privacidade dos usuários – e vice-versa.”

Desvio de rota

Há duas semanas, algo parece ter mudado o rumo do Facebook: a carta, em tom de manifesto, na qual Zuckerberg delineia que o futuro do Facebook está em mensagens criptografadas, integrando o WhatsApp, o Instagram e o Facebook Messenger em um só sistema. Supostamente, haverá mais privacidade para os usuários, mas, para os especialistas, é “um plano para inglês ver.”

“É um tipo diferente de privacidade”, diz Kirkpatrick. “A privacidade que preocupa as pessoas é que seus dados não serão protegidos, não a das mensagens”. Na visão dele, oferecer mensagens criptografadas não muda o fato de que dados estão sendo coletados – e especialistas desconfiam até do grau de privacidade que o serviço pode oferecer no futuro.

Isso porque, ao serem criptografadas, as mensagens têm seu conteúdo intacto. Porém, seguem gerando informações úteis – os chamados metadados, que identificam os usuários, onde estão e até o horário da troca de mensagens. São dados que o WhatsApp pode ceder a investigações policiais – para Willemsen, do Gartner, também podem ser oferecidas a anunciantes.

Em uma superplataforma de mensagens, não é difícil imaginar que um usuário passe a receber anúncios de sofás em seu celular após trocar mensagens com o perfil de uma loja de móveis no Instagram – mesmo que a rede não saiba o que foi conversado. “A privacidade não diz respeito só ao conteúdo da mensagem, mas sobre qualquer informação dos indivíduos. É complexo”, diz o analista do Gartner.

Estadão Conteúdo

Compartilhe isso:

Recommended For You

About the Author: Terra Potiguar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + 7 =

%d blogueiros gostam disto: