Covid-19: Sociedade de intensivistas é contra uso de ivermectina e cloroquina

A polêmica sobre a eficácia de medicamentos para o tratamento da Covid-19 segue em alta, principalmente com a disseminação do uso da ivermectina. Apesar da grande procura, a Sociedade Norte-Riograndense de Terapia Intensiva (Sonorti) afirma que o uso da medicação não é recomendado e não apresenta efeitos no tratamento da doença.

Em entrevista ao Jornal da Manhã da Jovem Pan News Natal, o presidente da entidade, o médico intensivista Fernando Carriço, explicou que a utilização da ivermectina não tem nenhuma recomendação ao redor do mundo e de nenhum órgão representativo de médicos especialistas no Brasil, sejam pneumologistas, infectologistas ou intensivistas. Segundo ele, a busca pelo medicamento é um fenômeno muito mais local e sem eficácia comprovada.

“Não recomendamos o uso da ivermectina. Não existe essa recomendação em nenhuma das sociedades que representam especialistas, sejam pneumologistas, infectologistas ou da medicina intensiva. Não existe nem aqui (no Brasil) nem fora (a recomendação). Na verdade, o que tem se percebido é que é uma droga do momento, mas mais localmente”, explicou Carriço.

De acordo com ele, é preciso lembrar que entre 90% e 95% das pessoas que forem infectadas pelo novo coronavírus apresentarão a doença sem sintomas ou com sintomas leves e, nos casos graves, há medidas farmacológicas utilizadas têm impacto para o tratamento da doença. Porém, em nenhum dos casos o uso da ivermectina ou cloroquina apresentou resultados positivos.

Relembrando a decisão da agência reguladora dos Estados Unidos, equivalente à Anvisa no Brasil, que revogou a liberação da hidroxicloroquina para o atendimento a pacientes em qualquer estágio da doença, Fernando Carriço também criticou a utilização do medicamento, reafirmando que não há recomendação para seu uso.

“Essas drogas, como a cloroquina, como outras, não têm recomendação para uso durante essa pandemia. O que existe é que, se for elaborado um ensaio clínico, a liberação para o uso seria específico para análise de segurança. Só que como estudos já vêm sendo publicados e mostraram que não existe o benefício e, em alguns casos, até malefícios, nem para estudo clínico seria indicado”, criticou o médico.

Ivermectina em Natal

Recentemente, a Secretaria Municipal de Saúde de Natal anunciou a distribuição da ivermectina para pacientes de grupos de risco na cidade. O médico infectologista Fernando Suassuna é um dos entusiastas da utilização do medicamento, inclusive como forma de prevenção à Covid-19.

De acordo com Suassuna, que vem estudando a ivermectina há alguns meses, em laboratório, a medicação, em 48h, “consegue eliminar 97% dos vírus dentro das células e 94% no sobrenadante das células”. Para ele, “seria uma ação efetiva e rápida”.

A procura fez com que o preço do medicamento disparasse em Natal e houvesse falta da droga em estoque.

Grávidas

O diretor-geral do Instituto Santos Dumont (ISD), especialista em medicina fetal e instrutor nacional da Estratégia Zero Morte Materna por Hemorragia Pós-parto da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), Reginaldo Freitas Júnior, alertou que mulheres grávidas não devem usar Ivermectina – substância que passou a ser adotada pela Secretaria de Saúde de Natal no combate à Covid-19 e acabou levando a população a uma corrida às farmácias.

Segundo ele, essa é uma droga que pode atravessar a barreira placentária e pode ser tóxica para o fígado da mãe e tóxica para o fígado do bebê. “No momento, não há segurança o suficiente para recomendar o uso da ivermectina na gravidez”, disse o especialista. Ele acrescentou que a droga nunca foi testada em grávidas.

Além de não ter eficácia comprovada para tratar Covid-19 em humanos (apenas pesquisas in vitro, ou seja, com células, têm resultados divulgados até agora), o uso do produto sem orientação médica é contraindicado – na própria bula – não só para mulheres grávidas ou que estejam amamentando, mas também para crianças com menos de 5 anos de idade.

Compartilhe isso:

Recommended For You

About the Author: Terra Potiguar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Roda pé
%d blogueiros gostam disto: